Arruda, candidato?



Ninguém pode negar  a maneira convincente de Arruda dizer que verde é amarelo, que a verdade é mentirosa e que seus pecadilhos merecem  perdão. 
Pressionado pelo grupo político que apoia a mais exdrúxula composição política que o DF já viu, Arruda acaba de dar o seu grande "Golpe  de Mestre".
Assim que ficou claro que sua candidatura seria impugnada pela justiça, ele começou uma luta ferrenha  pela cabeça de chapa. Roriz, Fraga e Gim Argelo iniciaram uma disputa. para serem os ungidos na possível  sucessão.
Se Arruda lançasse Liliane, filha de Roriz, ele,o algoz que foi o responsável pelo escândalo que  ocasionou a saída do ex-governador da vida pública e que dizia que "havia acabado a era Roriz" daria de presente ao seu antigo desafeto, novamente, o governo do DF, ressucitando o poder azul que fatalmente atrapalharia o seu retorno.
Se deixasse o Gím Argelo encabeçar a chapa, sabia das dificuldades que teriam para chegar ao segundo turno. Se fosse escolhido o Fraga ele seria o criador de um novo mito político-no  DF que  nunca estaria debaixo do seu comando.
Neste jogo de xadrez veio a idéia brilhante de como enganar a justiça e ser o governador. 
Frejat, homem púbico, político respetável, ficha limpa, assumiriam seu lugar e Flavia ARRUDA, sua mulher, que aos olhos do eleitor traria uma mensagem subliminar de que Arruda estaria presente, seria a candidata a vice - governadora.
Foi uma longa negociação, onde  Arruda arquitetou a possibilidade de mais uma vez ser o futuro governador. Frejat iria  para segundo turno, governaria por um ano, aí deixaria o governo, assumindo  a vice-governadora, Flávia Arruda, sua esposa que nunca exerceu um cargo público, modelo, apresentadora de TV. Por traz do palco, Arruda mexe as cordas da marionete, que igual à Dilma só brincará de faz de conta.